Nas rodas de conversas privadas, altos executivos deixam claro que o corte de trabalhadores é prioridade nas metas das organizações.

Carlos Teixeira
Radar do Futuro

Sim, as principais lideranças empresariais do mundo desejam eliminar empregos, ao contrário do que dizem em ambientes públicos, onde demonstram preocupação com os impactos da automação e da inteligência artificial. Nas rodas de conversas privadas, os altos executivos deixam claro que o corte de trabalhadores é prioridade nas metas das organizações.

A constatação acima não é parte do discurso de um líder sindical. Quem diz é Kevin Roose, colunista da The New York Times Magazine. “Eles nunca admitem isso em público, mas muitos dos seus chefes querem que as máquinas substituam você o mais rápido possível”, assinala o articulista, que utiliza de sua condição de especialista em negócios e tecnologia para se apresentar como testemunha das diferenças dos discursos.

Na reunião anual do Fórum Econômico Mundial, realizado em Davos na Suíça, em janeiro de 2019, ele constatou que as respostas dos executivos  às perguntas sobre automação dependem muito de quem está ouvindo.

Entre o público e o privado

Em público, muitos executivos torcem as mãos para as consequências negativas que a inteligência artificial e a automação podem ter para os trabalhadores. No papel de lideranças conscientes, eles participam de discussões em painéis sobre a construção de “AI centrada no ser humano” ou sobre impactos da “Quarta Revolução Industrial”.

Avaliam a adoção corporativa de aprendizado de máquina e outras tecnologias avançadas. E falam sobre a necessidade de fornecer uma rede de segurança para pessoas que tendem a perder seus empregos como resultado da automação.

Mas em ambientes privados, incluindo reuniões com os líderes de muitas empresas de consultoria e tecnologia, os mesmos executivos contam uma história diferente: estão correndo para automatizar suas próprias forças de trabalho para ficar à frente da concorrência, com pouca consideração pelo impacto sobre os trabalhadores.

Automação como prioridade

Em todo o mundo, os executivos estão gastando bilhões de dólares para transformar seus negócios em operações enxutas, digitalizadas e altamente automatizadas. Eles anseiam pela grande margem de lucro que a automação pode proporcionar. A inteligência artificial é entendida como um bilhete de ouro para o aumento da produtividade. “Talvez permitindo a redução dos departamentos com milhares de trabalhadores para apenas algumas dúzias”, assinala Roose.

Mohit Joshi, presidente da Infosys, empresa de tecnologia e consultoria que ajuda outras empresas a automatizar suas operações, atesta que os executivos estão procurando atingir números muito grandes. “Anteriormente, eles tinham metas de 5% a 10% de redução de sua força de trabalho. Agora eles estão dizendo: Por que não podemos fazer isso com 1% das pessoas que temos? ”

Poucos executivos americanos admitirão querer se livrar de trabalhadores humanos, um tabu no momento atual de crescimento da desigualdade social e concentração de renda. Então eles criaram uma longa lista de chavões e eufemismos para disfarçar suas intenções. Os trabalhadores não estão sendo substituídos por máquinas, estão sendo “liberados” de tarefas onerosas e repetitivas. As empresas não estão demitindo trabalhadores, estão “passando por transformação digital”.

Máquina em ação

Uma pesquisa de 2017 da Deloitte descobriu que 53% das empresas já começaram a usar máquinas para executar tarefas anteriormente feitas por seres humanos. O número deve subir para 72 por cento no próximo ano.

A obsessão por IA da elite corporativa tem sido lucrativa para empresas especializadas em “automação robótica de processos”. Como a RPA Infosys, que tem sede na Índia. Ela registrou um aumento de 33% na receita anual em sua divisão digital. A unidade de “soluções cognitivas” da IBM, que usa inteligência artificial para ajudar as empresas a aumentar a eficiência, tornou-se a segunda maior divisão da empresa, registrando US $ 5,5 bilhões em receita no último trimestre. O banco de investimentos UBS projeta que a indústria de inteligência artificial pode valer até US $ 180 bilhões até o próximo ano .

Kai-Fu Lee, autor de “AI Superpowers” ​​e executivo de tecnologia de longa data, prevê que a inteligência artificial eliminará 40% dos empregos no mundo dentro de 15 anos. Em uma entrevista, ele disse que os executivos estavam sob enorme pressão dos acionistas e conselhos para maximizar os lucros a curto prazo, e que a rápida mudança para a automação era o resultado inevitável.

Revolução silenciosa

Roose assinala que outros especialistas previram que a IA criará mais empregos do que destrói e que as perdas de empregos causadas pela automação provavelmente não serão catastróficas. Eles apontam que alguma automação ajuda os trabalhadores, melhorando a produtividade e liberando-os para se concentrarem nas tarefas criativas em detrimento das rotineiras.

Mas em um momento de agitação política e movimentos anti-elite na esquerda progressista e na direita nacionalista, provavelmente não é surpresa que toda essa automação esteja acontecendo silenciosamente, fora da vista do público. Em Davos,  vários executivos se recusaram a dizer quanto dinheiro haviam economizado automatizando os trabalhos anteriormente feitos por humanos. E ninguém estava disposto a dizer publicamente que a substituição de trabalhadores humanos é o seu objetivo final.

“Essa é a grande dicotomia”, disse Ben Pring, diretor do Centro para o Futuro do Trabalho da Cognizant, uma empresa de serviços de tecnologia. “Por um lado”, disse ele, os executivos com fins lucrativos “absolutamente querem automatizar o máximo que podem”. “Por outro lado”, ele acrescentou, “eles estão enfrentando uma reação na sociedade civil”.

Sinceridade asiática

Para uma visão nua e crua de como alguns líderes americanos falam sobre automação em particular, você tem que ouvir seus colegas na Ásia, que muitas vezes não tentam esconder seus objetivos. Terry Gou, presidente da fabricante de eletrônicos taiwanesa Foxconn, disse que a companhia planeja substituir 80% de seus funcionários por robôs nos próximos cinco a dez anos. Richard Liu, fundador da empresa chinesa de comércio eletrônico JD.com, disse em uma conferência de negócios no ano passado que “espero que minha empresa seja 100% automatizada algum dia”.

Um argumento comum feito pelos executivos é que os trabalhadores cujos empregos são eliminados pela automação podem ser “qualificados” para executar outros trabalhos em uma organização. Eles oferecem exemplos como a Accenture, que alegou em 2017 ter substituído 17 mil empregos de processamento administrativo sem demissões, treinando funcionários para trabalhar em outros locais da empresa.

Em uma carta aos acionistas no ano passado, Jeff Bezos, diretor-executivo da Amazon, disse que mais de 16 mil funcionários da Amazon receberam treinamento em campos de alta demanda, como enfermagem e mecânica de aeronaves, com a empresa cobrindo 95% de suas despesas.

Kevin Roose suspeita que esses programas podem ser a exceção que comprova a regra. Há muitas histórias de sucesso – otimistas frequentemente citam um programa em Kentucky que treinou um pequeno grupo de ex-mineradores de carvão para se tornarem programadores de computador – mas há pouca evidência de que ele funciona em grande escala.

Fenômeno natural

Um relatório do Fórum Econômico Mundial deste mês estimou que, dos 1,37 milhão de trabalhadores projetados para serem totalmente deslocados pela automação na próxima década, apenas um em cada quatro pode ser lucrativamente reutilizado por programas do setor privado. O resto, presumivelmente, precisará se defender sozinho ou depender da ajuda do governo.

Em Davos, os executivos tendem a falar sobre automação como um fenômeno natural sobre o qual eles não têm controle, como furacões ou ondas de calor. Eles afirmam que, se não automatizarem os trabalhos o mais rápido possível, seus concorrentes o farão. “Eles serão afetados se não o fizerem”, disse Katy George, sócio sênior da consultoria McKinsey & Company.

Automatizar o trabalho é uma escolha, é claro, mais dificultada pelas demandas dos acionistas, mas ainda é uma escolha. E mesmo que algum grau de desemprego causado pela automação seja inevitável, esses executivos podem escolher como os ganhos da automação e da inteligência artificial são distribuídos e se devem ou não distribuir os lucros em excesso aos trabalhadores ou acumulá-los para si e para seus acionistas. .

As escolhas feitas pela elite de Davos – e a pressão aplicada sobre elas para agir nos interesses dos trabalhadores e não nas suas – determinarão se a IA é usada como ferramenta para aumentar a produtividade ou infligir dor. “A escolha não é entre automação e não-automação”, disse Erik Brynjolfsson, diretor da Iniciativa sobre a Economia Digital do MIT. “É entre usar a tecnologia de uma maneira que crie prosperidade compartilhada ou mais concentração de riqueza.”

Kevin Roose é colunista do Business Day e escritor geral da The New York Times Magazine. Sua coluna, “The Shift”, examina a interseção entre tecnologia, negócios e cultura. @kevinroose • Facebook